Home Page

Antifascista lendário - resistente, deportado, partisan, "silver star" americano

#0 (65k)
Francisco armado nas ruas de Ettelbruck durante a primeira libertação

Frankie Hansen era de uma jovem geração luxemburguesa que o fascismo e a ocupação da Alemanha nazi levaram à ação e à resistência armada.

A carreira excecional deste jovem resistente da primeira hora, preso e torturado pela Gestapo quando era grevista durante a greve geral de agosto de 1942 contra o ocupante, começou quando ele foi preso num campo de concentração em Hinzert, Alemanha.

Depois de uma longa jornada pelas prisões da Alemanha nazi e da Polónia ocupada, ele foi deportado e internado quase dois anos num acampamento das SS, perto de Lublin. O retorno ao seu país de origem começou com uma fuga miraculosa usando o uniforme de um sub-oficial alemão, depois de o dominar com as próprias mãos durante o caos criado pelo avanço do Exército Vermelho.

Depois de uma odisseia inimaginável de quase um mês sob o bombardeamento da Polónia nazi e da Alemanha, escapando aos controles omnipresentes, ele conseguiu chegar à sua cidade natal pouco antes da primeira acção de libertação pelo exército dos Estados Unidos, em 11 de setembro de 1944.

Com outros jovens, sobreviventes dos campos ou retornados do exílio, ele formou um grupo de partizans ao longo da linha Siegfried, mantida pela Wehrmacht para proteger o Terceiro Reich na própria Alemanha.

Em contacto com os soldados americanos, ele ofereceu-se e alistou-se na 8ª Divisão Americana sob a identidade de um soldado que morreu em combate. Enviado para a frente perto de Aix-la-Chapelle, no final de novembro de 1944, destacou-se várias vezes durante os violentos combates da floresta de Hürtgen, em território alemão.

Durante a ofensiva em direção a Colónia, em meados de fevereiro de 1945, cruzando o Roer a nado, no meio da noite, sob fogo inimigo, ele conseguiu limpar de explosivos uma ponte de importância crucial para o avanço do dia seguinte. Esta ação foi reconhecida com a "Silver Star" americana por méritos em combate, concedida pela primeira vez e excepcionalmente a um civil estrangeiro recrutado.

Nas semanas e meses seguintes, Frankie Hansen continuou a avançar pela Alemanha dentro com a famosa 8ª Divisão. Ele participou na dura luta do Ruhr depois do atravessamento do Roer, e finalmente chegou e cruzou o rio Elba, em 1 de maio de 1945.

Resistência e prisão

#1 (59k)
Francis Hansen, aos 18 anos

Francis Hansen nasceu em 21 de maio de 1922 em Diekirch, Luxemburgo. Ele não tinha ainda dezoito anos, em 10 de maio de 1940, quando a Wehrmacht invadiu o Grão-Ducado.

Em 1941 passou a integrar a rede de resistência LVL (Lëtzebuerger Volleks-Légioun) das cidades de Ettelbruck e Diekirch e rapidamente se tornou líder de grupo e chefe da ligação entre as duas secções.

É no final de agosto e início de setembro de 1942 que a sua vida fez uma viragem dramática. Depois de os nazis introduzirem o recrutamento forçado de jovens luxemburgueses para os enviar como recrutas à força para a Frente Oriental, surgiu um grande movimento popular de muitos luxemburgueses se opuseram ao recrutamento.

#2 (280k)
Cartão de futebol amador da equipe da sua cidade natal. Note que o ocupante rasurou e substituiu as palavras francesas por palavras em alemão.

A Resistência pediu uma greve geral contra o recrutamento forçado! Através dessa mobilização - até então sem precedentes na Europa ocupada - a Resistência do Luxemburgo viveu o seu primeiro grande feito.

Francis Hansen participa na organização da greve geral distribuindo panfletos em várias cidades e aldeias no norte do país.

Em Diekirch, na gráfica onde é aprendiz de tipógrafo, ele não apenas incentiva os seus colegas a entrar em greve, mas também sabota as máquinas nas quais o material de propaganda do regime de ocupação é impresso. O seu patrão denunciou-o à Gestapo.

No dia seguinte, na madrugada de 1º de setembro de 1942, a Gestapo prendeu-o em casa da família. Foi transferido para Villa Conter em Diekirch, para um primeiro interrogatório.

Durante a noite de 1 a 2 de setembro, ele foi transferido para a prisão de Grund, na cidade de Luxemburgo, onde passou por um primeiro interrogatório "musculado". Foram reunidos nessa cadeia 50 a 60 grevistas, encarcerados como líderes da greve geral. 24 grevistas foram filmados para serem usados como exemplo.

Uma semana depois, ele foi transferido para o quartel-general da Gestapo em Villa Pauly. Hartmann, um oficial da Gestapo, primeiro tenta "raciocinar" com o jovem Francis e encoraja-o a colaborar. Francis recusa qualquer proposta de se juntar à Wehrmacht e denunciar os membros da sua rede. No dia seguinte, o tom muda completamente. Depois de horas em frente à parede, dois torturadores bateram-lhe furiosamente com bastões de borracha até perder a consciência. Diante da obstinação do prisioneiro, um brutamontes da Gestapo, numa explosão de raiva, quebra-lhe todos os dentes da mandíbula inferior esquerda com as botas. O seu corpo inteiro fica marcado por feridas e hematomas. Tem dificuldade em urinar e ao fazê-lo sente dores violentas.

Quase moribundo, Francis passa os dias seguintes, sem cuidados de saúde, na sua cela. Diante da obstinação do prisioneiro durante um quarto interrogatório, a Gestapo decide encarcerá-lo no campo de concentração de Hinzert.

A grande viagem:

Hinzert, Colónia, Hanôver, Berlim, Poznan, Varsóvia, Lublin

Hinzert

#3 (131k)
#4 (422k)

O seu internamento no campo de Hinzert ocorre em 18 de setembro de 1942. Um outro interrogatório foi sobre a organização e os líderes da greve. Apesar da sua pouca idade, as SS tratavam-no como intendente, atormentaram-no e maltrataram-no sempre que puderam. Batido várias vezes até desmaiar, a sua condição física deteriorou-se rapidamente. Depois de violência cruzada de um guarda SS nas costas e nos rins, ficou com febre severa devido a uma infeção nos rins. Imobilizado por três semanas na enfermaria, a sua condição de saúde não melhorou. Em 13 de janeiro de 1943, os prisioneiros embarcam para um destino desconhecido que se pensa ter sido a Polónia. Francis começa a sua grande jornada de deportação num estado miserável, doente e à beira da morte. Ele esteva com febre de 41 graus, tinha perdido mais de vinte quilos e pesava apenas 45 quilos.

Colónia "Klingelpütz"

De Treves, o comboio sai para a mal-afamada prisão de "Klingelpütz", Colónia, com uma reputação sinistra: o terror assalta os luxemburgueses, que sabem que esta prisão é famosa por ser um local de execução, especialmente para os alemães de oposição. Foi aqui que 21 prisioneiros oriundos do Luxemburgo condenados à morte foram executados durante a guerra. Três presos alemães que se juntaram ao comboio em Treves foram baleados nesse mesmo local.

Hanover.

Em 18 de janeiro de 1943, a jornada continua em celas de carruagens até Hanover. Os prisioneiros estavam aterrorizados pelo medo de serem transferidos para Sachsenhausen, um campo de concentração aberto em 1936 para presos políticos e localizado a 35 quilómetros ao norte de Berlim. Mas os deportados foram divididos em quatro grupos e seguiram para a prisão de Alexanderplatz, chamada "Die Rote Burg".

Berlim "Die Rote Burg"

Em 29 de janeiro, o grupo de Francis deportado do Luxemburgo chegou a Berlim. Na prisão de "Roter Alex", eles descobriram que o destino da viagem era Lublin, na Polónia. Francis escreve uma carta em papel higiênico que um preso consegue fazer sair e, finalmente, é entregue a seus pais. "Coragem queridos pais, todos nós somos muito solidários ​​.... Nos últimos meses, ganhei tanta experiência que me sinto preparado para enfrentar qualquer situação ". Carta de 30.1. 1943.

Poznan

No dia seguinte, o seu grupo foi acorrentado e escoltado pela polícia até o vagão que os levou a Posen (Poznan), onde estiveram em trânsito na prisão "Wilhemsplatz 12" até 5 de fevereiro. Victor Abens e Christian Scholl, os mais antigos de mais de uma dúzia de outros luxemburgueses, fazeram parte deste grupo. A sua permanência na prisão de Wilhemsplatz 12, em Poznan, está documentada até 5 de fevereiro.

Varsóvia-Danilowiczowska

Em 06 de fevereiro de 1943, Francis e seu grupo de prisioneiros foram para a prisão da rua Danilowiczowska 7, em Varsóvia, onde mais de mil prisioneiros, prisioneiros políticos, principalmente polacos e judeus, estavam enlatados em condições desumanas.

A Cadeia da Rua Danilowiczowska estava localizada ao lado da Grande Sinagoga e do Gueto de Varsóvia. Francis permaneceu aí durante o período imediatamente após 18 de janeiro de 1943, dia crucial para a resistência judaica, que se manifestou pela primeira vez no gueto. Estava a preparar a insurreição armada contra os ataques organizados pelos nazis com a intenção de liquidar os 40-50000 judeus restantes, deportando-os para diferentes campos, principalmente Treblinka.

O levantamento do Gueto de Varsóvia aconteceu em 19 abril de 1943, véspera do Pessach, na Páscoa, quando os últimos sobreviventes judeus, mil homens e mulheres do gueto, se insurgiram em armas contra os nazis.

É nesse momento crítico, no frio do inverno polaco, vestindo uma camisa de manga curta (aquela que ele usava no verão anterior, quando fora preso), que Francis esteve cerca de dez dias em péssimas condições nesta prisão em Varsóvia. A sua saúde deteriorou-se perigosamente. A febre aumentara para 41 graus, resultado de uma infeção por vírus ou bactérias, comumente conhecida como "febre russa".

Lublin

#5 (219k)
O Castelo de Lublin

A partida de Varsóvia para Lublin ocorreu cerca de 15 de fevereiro de 1943. Devastado pela doença, apoiado pelos seus companheiros para poder partir no camião, podia ter sido abatido se tivesse entrado em colapso. Foram de camião para Lublin, sob a supervisão de funcionários polacos.

Apesar de sua condição, Francis notou que na rua, transeuntes corajosos iludiam a atenção dos supervisores polacos para dar um pedaço de pão, um cigarro ou até mesmo uma xícara de chá quente aos prisioneiros. Ele aprendeu a valorizar a coragem do povo e a resistência polaca.

Apesar do calvário da viagem, ele não sucumbiu à doença.

Quando os prisioneiros chegaram à prisão do "Castelo de Lublin", ainda era luz do dia. Durante a ocupação alemã da Polónia, até 80 000 pessoas estiveram presas aqui, entre os anos de 1939-1945. A maioria deles foram da resistência polonesa.

No "Castelo de Lublin" Francis passou vários dias entre a vida e a morte. Aqui também, as condições sanitárias eram terríveis, insetos e disenteria fustigaram os enfraquecido detidos Luxemburgo. A maioria de seus companheiros de prisão, os presos políticos polacos, nunca mais veriam novamente a liberdade.

Feridas purulentas nos dentes e nas mandíbulas, ou as costas por cicatrizar eram menos perigosas de que a febre alta de Francis. Aquando de uma chamada para selecionar os moribundos para a enfermaria da prisão, os seus companheiros carregaram-no de pé. Quase inconsciente, ele levanta a cabeça, reunindo as suas últimas forças para trautear uma música de Tino Rossi para entreter os SS ... fingindo não estar a morrer. Assim, ele salvou a vida, porque os SS liquidavam no local com uma injeção os presos com ar de estarem a "morrer".

#6 (377k)
Christian Scholl e Francis Hansen​

Na enfermaria, um companheiro luxemburguês de cela auxiliou Francis, e uma oração foi organizada pelos seus amigos para o ajudar. Mas, graças a um prisioneiro e dentista judeu o seu destino mudou! Com a ajuda de um anel e outras jóias de ouro escondidos, que haviam escapado ao controle de comando SS depois de sua prisão, o preso fabricou mais dentes. Estes dentes de ouro acompanharam Francis durante toda a sua longa vida, depois da guerra. Faziam lembrá-lo, de vez em quando, desse generoso dentista judeu, assassinado algum tempo depois pelas SS...

SS-Sonderlager Dobrowicza (Lublin)

Internamento entre fevereiro de 1943 e julho de 1944

O grupo de Francis ficou internado no SS-Sonderlager Dobrowicza (Lublin) nas proximidades da cidade de Lublin. Dobrowicza foi um campo de trabalhos forçados. Este campo funcionava sob a autoridade das SS e do chefe de polícia do distrito de Lublin. As condições de detenção não eram comparáveis ​​às do campo de extermínio de Majdanek. Felizmente, os deportados estavam trancados num espaço fechado, mais como numa fazenda, mas a vigilância não era tão severa quanto a de um campo de concentração convencional (KZ). Os presos foram usados ​​para trabalhos forçados, como terraplanagem para construção de estradas.

Muito rapidamente, Francisco impõe-se aos seus camaradas como líder, apesar de sua pouca idade. Ele é o mais novo do grupo de deportados do Luxemburgo. A sua saúde melhorou. Francisco aprendeu a remediar a fome e a falta de calorias do grupo de deportados luxemburgueses com ações corajosas e bem calculadas. Durante um descarregamento, ele desviou uma saca de 50 quilos de massa que seguia para a cozinha dos prisioneiros.

Uma noite, o jardim da SS é saqueado e a lagoa artificial esvaziada das trutas. Ele era corajoso e assumiu riscos, colocando a sua vida em perigo constantemente: ele saia pelos canais do acampamento e fazia as suas incursões noturnas entre partizans e camponeses polacos. Às vezes ele trazia batatas e fazia circular mensagens sem censura.

O seu golpe mais espetacular foi, sem dúvida, a eliminação do pastor alemão treinado para atacar os prisioneiros e lhes mordia com preferência os tendões.

Um dia, depois de uma preparação paciente que durou meses, Francis conseguiu levar o cão para uma torre de vigia desocupada e empurrou-o para o vazio. As SS, quando encontraram o cão com o pescoço partido, não conseguiram explicar como o cão subira as escadas de dois andares até a torre de vigia.

Noutra ocasião, Francis roubou uma máquina fotográfica no escritório da SS e entregou-a a Christian Scholl, que a usou para fotografar a vida no campo. Depois disso, a máquina foi colocada no seu lugar.

Mas a sorte não durou sempre! Durante uma fuga do acampamento, o alarme foi dado e ele teve de se esconder horas a fio entre as fezes das latrinas.

Além disso, uma carta de um prisioneiro do Luxemburgo dirigida à sua esposa a queixar-se das condições de internamento na Gestapo foi enviada imediatamente às autoridades do campo na Polónia, como denúncia. As SS alinharam todos os prisioneiros durante horas e ordenaram-lhes entreguem do culpado, sob pena de severas represálias coletivas.

Francis, o mais jovem e mais desportivo dos prisioneiros luxemburgueses, assumiu a responsabilidade e entregou-se às SS, que o espancaram ferozmente diante dos outros prisioneiros.

Francis lembrou-se então de ver com seus próprios olhos o que aconteceu em Hinzert ao prisioneiro luxemburguês Albert Wingert, que ousou enfrentar o famoso torturador sádico Ivan, o Terrível. Foi por isso que, com cada golpe do SS, ele dava um salto para trás, para encher o seu torturador do orgulho pela sua força física ...

Apesar das duras pancadas, a saúde de Francis acabou por melhorar. Recuperou o peso e impressionou a SS com seu corpo musculoso e treinado. Eles acabaram usar isso como um exemplo. O seu passado como jogador de futebol deu-lhe a oportunidade de jogar com a equipe de prisioneiros russos contra a equipe das SS.

Desde 1944, Francisco foi frequentemente destacado para o distrito central de Gestapo Lublin, onde cuidava da loja de móveis da SS ...

A odisseia do regresso ao Luxemburgo

No final de junho, a frente oriental caiu e as famílias das SS começaram a fugir para a Alemanha. A ofensiva russa contra Lublin começou em 18 de julho de 1944. As defesas alemãs foram esmagadas e perfuradas. No dia seguinte, a força aérea soviética atacou as posições defensivas alemãs, enquanto as tropas terrestres rapidamente se tornaram senhoras da primeira linha de defesa alemã. Os subúrbios de Lublin foram atacados por veículos blindados soviéticos. A cidade foi cercada em 23 de julho. O pânico apoderou-se das tropas alemãs. Em 21 de julho, Francis, a partir da sede do "SIPO" da polícia de segurança, tirou proveito do caos causado pela passagem de tropas Wehrmacht em retirada para se infiltrar na zona proibida, onde havia grande confusão entre os oficiais em deserção. A sopa fumegante servida na mesa aguardava os senhores. Cheio de excitação, sentindo o poder dos senhores a esvaziar-se, agarrou na tigela de sopa e atira-a no vazio, sobre os corrimãos de ferro forjado do primeiro andar.

O barulho alertou um suboficial que acorreu. Depois de uma breve luta, ele "neutralizou" o nazi, agarrou no seu uniforme e removeu a insígnia. Enfiou quatro garrafas de Schnapps numa bolsa, juntou-se aos comboios alemães em fuga, trocou uma de suas garrafas por um assento e entrou num caminhão.

Foi assim que ele pode ver os vários enforcados na área do acampamento vizinho. O comboio atravessou a ponte sobre o rio Vístula pouco antes de esta ter explodido e dirigiu-se para a cidade de Radom.

Francis teve a sorte de não ter sido tratado como os prisioneiros comuns. De fato, várias centenas de prisioneiros do Castelo de Lublin foram assassinados pouco antes da invasão soviética, e a sorte de Francis deveu-se provavelmente ao SS-Obersturmbannführer Koschig. Francis, que desejava regressar ao Luxemburgo, beneficiou da ajuda deste oficial alemão. Ele fora transferido da polícia de segurança do Luxemburgo para Lublin, como inspetor administrativo em 1943. Koschig, que não tinha ilusões sobre a derrota da Alemanha nazi, estava preocupado com a sua família que permanecera no Luxemburgo. Ele assegurou a entrega de várias cartas de Francis para sua esposa, no Luxemburgo, e certificou-o em Radom com uma carta oficial simples como trabalhador de lavagem de carros, sob a autoridade de SD Lublin.

#7 (680k)
O certificado de Koschig
#8 (361k)
TO certificado renovado de Koschig

Este foi o único documento que o prisioneiro fugitivo possuía para enfrentar o perigoso retorno para casa, na turbulência do desastre do exército alemão. Mas esse documento sem fotografia não valia muito, sem estar acompanhado por um documento de identidade real. Esse pseudo-certificado foi renovado duas vezes, da última vez em Częstochowa (Czenstochau) de 21 de agosto a 30 de agosto.

Para voltar para casa, estava entregue a si mesmo. Em Varsóvia, ao mesmo tempo que a resistência polaca emergiu e foi esmagada, Francis usava um uniforme da Wehrmacht e fez-se passar por recruta luxemburguês. Em Częstochowa, levado pela fome, vai repetidas vezes às cantinas militares correndo risco da vida, de ser preso e baleado como desertor a qualquer momento.

Encontrou apoio no famoso mosteiro de Czestochowa, onde as autoridades eclesiásticas o esconderam por alguns dias, deram-lhe algum dinheiro e uma imagem da Madona Negra para que a Virgem o protegesse durante a sua viagem de regresso. A sua mãe manterá esta imagem até morrer.

Como muitos outros soldados dispersos, ele é intercetado pela polícia militar durante uma concentração para reorganizar as tropas e é transferido para uma unidade de combate na frente oriental.

Na estação de Częstochowa, onde os trens para a Frente Ocidental também passavam, ele misturou-se com os soldados da Wehrmacht cujas carroças estavam a seguir para oeste. Durante um controle, ele saltou do comboio para tomar outro. Uma bebida da última garrafa de álcool conseguiu relaxar a atmosfera e tornar amigável um soldado que suspeitou dele.

No final de agosto, Francis chegou à estação de Wroclaw (Breslau). Um policia que retornava da Frente Oriental ordenou-lhe que levasse suas duas elegantes malas de couro. Engolido na multidão, Francis desapareceu. Escondeu-se numa casa de banho, vestiu roupas civis e escondeu o uniforme no autoclismo.

Outros comboios acabam por levá-lo a Colónia e, em seguida, a Trier, onde ele deixou a rota controlada militarmente e caminhou ao longo de uma faixa de 40 km até Ettelbruck onde encontrou refúgio com amigos de Feulen, aldeia camponesa perto de Ettelbruck.

Na mala do oficial, ele encontrou uma máquina fotográfica Leika que continha um filme com fotos tiradas na Frente Oriental.

Libertação do Grão-Ducado do Luxemburgo.

 milícia Vianden
#9 (590k)
Os seguidores de Vianden. Francis é o segundo da direita

Em Ettelbrück, ele juntou-se a um grupo de refratários e desertores da Wehrmacht. Procuraram e conseguiram armas para realizar ataques corpo-a-corpo contra os ocupantes, em plena debandada.

Em 10 de setembro de 1944, ao amanhecer, unidades da 5ª Divisão Blindada Americana libertaram a parte sul do país e, em 11 de setembro de 1944, as tropas americanas avançaram para o norte e o leste do Luxemburgo. As unidades da 5ª Divisão Blindada dos EUA, reforçadas nos flancos por elementos da 28ª Divisão de Infantaria, libertaram localidade após a localidade daquele país.

#10 (275k)
Os dois irmãos Pierre e Francis Hansen
#11 (253k)
Francisco armado nas ruas de Ettelbruck durante a primeira libertaçãoa

Em 11 de setembro de 1940, durante a entrada triunfal das tropas americanas, o irmão de Francis guiou escuteiros para uma colina de onde eles levantaram um fogo de artilharia devastador sobre um comboio alemão. Depois de participar na prisão de colaboradores, Francis juntou-se a um grupo de partisans, conhecido como "Milícia", sob o comando de Victor Abens, originário da pequena cidade fronteiriça de Vianden e ex-coprisioneiro de Francis em Lublin.

#12 (250k)
Victor Abens e Francis Hansen
#13 (236k)
Francis com outro partizan em Vianden
#14 (210k)
Francis, Nelly Wagner, René Weis em Vianden

A pequena cidade de Vianden está separada da Alemanha por um rio, ladeado por uma falésia alta, que constitui o seu limite natural, é um ponto altamente estratégico.

Vianden fora abandonada pela população, estava vazia. Localizada no meio da terra de ninguém. Os militares dos EUA estavam a alguma distância, alguns quilômetros atrás.

#15 (643k)
O tenente da 8ª Divisão Milard O. Engen

Os partisans empenham-se em incursões no território alemão ao longo da Siegfriedlinie. Trinta dessas milícias intercetaram patrulhas alemãs e fizeram prisioneiros que entregaram ao exército norte-americano, a quem também entregaram informações sobre os movimentos do exército alemão localizado no morro.

É assim que Francis conheceu um jovem tenente da 8ª Divisão, Milard O. Engen, de quem se tornou amigo, e graças ao qual ele se inscreveu como voluntário em 1 de novembro de 1944 sob a identidade do soldado Gordon Bayes, Houston, Texas, morto em combate.

O inferno de Hürtgen e cruzando o Roer

O primeiro batalhão do 28º regimento da 8ª divisão de infantaria entrou no Luxemburgo, em 01 de outubro, depois de luta feroz na Normandia, e estabeleceu a sua sede fora do alcance das armas alemãs. O batalhão permaneceu três semanas nas suas posições e faz incursões no Siegfriedlinie.

#16 (422k)
Frankie Hansen condecorado com Purple Heart
#17 (83k)
Blindado Americano em Hürtgenwald

Criando amizade com os GIs da companhia A, Francis aproveitou a oportunidade para melhorar os seus conhecimentos de inglês. O domínio da língua alemã, o seu conhecimento da psicologia do inimigo e, especialmente, sua profunda motivação para dar batalha aos nazis fizeram de Francis um recruta do exército norte-americano.

Apenas três semanas depois, o soldado "não oficial" Francis Hansen, cujo nome foi americanizado para Frankie, foi transferido com a 8ª Divisão em caminhões para a frente da floresta Hürtgen, uma frente isolada na Alemanha.

Ao chegar, o SIG da 8ª divisão percebeu o terrível estado e a baixa moral das tropas que durante três semanas tinham tentado em vão romper a frente do inimigo e cujas perdas se contavam na casa dos milhares.

Em 19 de novembro de 1944, o batalhão assumiu as suas posições, seguindo um caminho estreito aberto por vários quilômetros. O trilho, debaixo a fogo de artilharia ininterrupto, só podia ser usado à noite. Um erro de um GI detonou uma mina. Seguiu-se um ataque de morteiro que custou a vida a quatro elementos do quartel general.

Frankie descobriu que a primeira regra de sobrevivência na "Floresta da Morte", como os alemães chamaram àquilo, é não se afastar do caminho desminado. O campo de batalha da Floresta Hürtgen estava salpicado com centenas de milhares de minas terrestres invisíveis, muitas vezes presas a troncos de árvores por fios, e que explodiam ao contato.

Inimigos invisíveis esperavam por eles, escondidos em posições fortificadas, com ninhos de metralhadora e peças de artilharia camufladas. Era impossível para os norte-americanos desfrutar de sua supremacia em tanques e outras armas pesadas neste terreno impenetrável no inverno. A sua força aérea permaneceu pregada ao chão.

#18 (408k)
"Hürtgenwald,
#19 (154k)
Hürtgenwald, minas
#20 (435k)
Hürtgenwald, os sobreviventes

A infantaria norte-americana desesperou pela falta de poder de fogo e esteva exposta ao fogo inimigo incessante, nas suas trincheiras abertas à pressa. Trinta mil obus atingiram-os, numa média de 3000 por dia durante doze dias e doze noites.

Vossenack

#21 (527k)
A igreja de Vossenack em ruínas
#22 (33k)
#23 (298k)

O caminho para Vossenack, exposto ao fogo inimigo durante vários dias, deixava a estrada principal junto à vila e continuava num caminho íngreme por um campo minado cheio de corpos de sapadores da 28a divisão que ainda aí jazem, de lado. Durante a permanência em Vossenack e seus arredores, o primeiro batalhão ficou sob um fogo de artilharia, como não havia experimentado nem nos campos de batalha da França. Durante 24 horas, um granizo de mais de 5.000 projéteis caiu nas posições dos soldados enterrados nas trincheiras.

A experiência traumática de doze dias de exposição ao fogo de artilharia continuou nas trincheiras cheias de lama, com a roupa molhada, sem suprimentos e sem reforços, a ouvir os urros e os gritos dos feridos de morte na trincheira vizinha, sem poder reagir, e permaneceu para sempre ancorada na memória de Frankie.

Chuva sem fim caiu durante o mês de novembro e dezembro em Vossenack e os soldados dormiam em ambiente febril, dentro de água fedorenta. A história da companhia é uma longa ladainha de queixas sobre a falta de homens suficientes, os ataques e contra ataques, os homens feridos por estilhaços que atravessaram as aberturas inadequadamente protegidas das trincheiras feitas de simples troncos de pinheiros, confrontos com patrulhas inimigas.

Durante dias não houve nada para comer e os feridos só podiam ser evacuados durante a noite, por um caminho exposto ao fogo inimigo. Frequentemente ocorreram novas baixas. Frankie dispunha-se a todas as missões. Ele voluntariou-se sistematicamente para incursões de reconhecimento no terreno inimigo, participou no maior número de patrulhas que pode.

As companhias organizaram contra-ataques com forças de menos de 40 homens. Os homens incapazes de andar foram encarregues de manter as posições; a pneumonia não era motivo para evacuação.

A memória mais atroz daqueles dias, no entanto, continua a ser a do cheiro pungente de corpos em decomposição caídos às centenas, decapitados, entre as ruínas e as árvores, assim como o fedor de lama em trincheiras inundadas.

A aldeia de Vossenack, depois de semanas de luta, não era mais do que uma monte de ruínas. Após doze dias de isolamento do que restava desta aldeia, constantemente expostos a bombardeios, sem provisões de viveres nem de armas, os soldados foram finalmente rendidos pelo terceiro batalhão.

Esta outrora idílica aldeia, cercada por florestas densas, tornou-se o símbolo dos dias mais difíceis para os soldados do primeiro batalhão. Vossenack, como escreveu Ernest Hemingway, muda de mãos 23 vezes.

Frankie atirou sobre os inimigos por detrás do muro à volta do jardim da mansão, perto da igreja completamente destruída, em torno do qual o combate corpo-a-corpo ocorria. Recordar-se-ia para sempre dos cadáveres americanos e alemães empilhados uns nos outros.

Em 27 de novembro eles estiveram expostos a muitos ataques. O tenente-coronel E. Smith assumiu o comando em 7 de dezembro e, cinco dias depois, já estava morto.

Em Vossenack, os americanos sofreram duas vezes mais perdas do que a Wehrmacht.

Em 18 de dezembro, enquanto o batalhão está sempre por perto de Vossenack, a Wehrmacht lançou a ofensiva nas Ardenas, as fronteiras belgas e luxemburguesas.

A moral era baixa porque nenhum reforço era esperado e a frente da 8ª Divisão estava muito isolada.

A frente junto a Düren e o avanço no rio Roer

#24 (217k)
Düren em ruínas

Em 7 de fevereiro de 1945, foi dada ordem ao primeiro batalhão da Oitava Divisão de Infantaria para deixar suas posições em Hürtgenwald, a oeste de Aix-la-Chapelle (Aachen). A esperança de ser concedida a licença após dois meses de duros combates e enorme perda de vidas na "Floresta da Morte Alemã" é rapidamente desfeita. O batalhão foi apenas substituído e instala-se na aldeia de Lendersdorf, em torno de Düren, a oeste do rio Roer. No entanto, a alegria é grande, eles acreditam ter escapado da morte, de assassinatos sem sentido, do sofrimentos inauditos …

Entretanto, a ofensiva alemã Ardennes, que recebeu o nome de "ofensiva von Rundstedt" entra em colapso. A esperança de um descanso revelou-se errada. Na realidade, o batalhão só mudou de posição. Dos 180 homens da companhia que conquistaram posições perto de Vossenack, durante a noite de 28 de novembro, apenas 17 ainda estão em combate, a maioria deles foram mortos ou feridos. A divisão registou 4000 baixas só nas lutas de novembro a dezembro.

Frankie tem lutado em combate de proximidade. Em vez do pesado rifle de infantaria, ele estava equipado com uma submetralhadora Thompson, duas pistolas automáticas e granadas de mão. Ferido duas vezes nos confrontos quase diários com patrulhas inimigas, foi condecorado com a Purple Hearth com estrela.

À espera da grande ofensiva em direção a Colónia, o centro industrial estratégico do Terceiro Reich, os GIs instalaram-se em adegas aquecidas em Lendersdorf. Grande luxo, depois do que eles viveram.

O Roer é o último obstáculo a caminho do coração industrial do Terceiro Reich. Normalmente, um riacho silencioso, o Roer estava irreconhecível após a explosão de represas a montante de Düren, a começar na de Schwammenauler Damm. Ondas, com uma altura média de três metros, quebram sobre uma largura de mais de trinta metros com uma violência que destrói qualquer hipótese de passagem de barcos. O nível das águas sobe constantemente e a ofensiva é adiada duas vezes.

O plano do quartel general era atravessar o rio em barcos, após um pesado bombardeio. Fizeram-se exercícios com pneus e os engenheiros prepararam pontões para a infantaria e equipamentos pesados para o ataque iminente.

#25 (114k)
Wermacht detona barragem de Schwammenauler

Apenas um quarto da ponte Lendersdorf foi destruída do lado americano, durante a retirada da Wehrmacht. Os pilares ainda estão intactos no lado alemão. Mas estavam minados por poderosos explosivos e duas bombas de avião de 500 quilos, que podiam estar conectadas a ninhos de metralhadoras que disparariam sobre o rio ao menor sinal.

O plano era preservar os pilares da ponte, ainda intactos, para suportar uma estrutura de aço que pudesse suportar os tanques e a artilharia necessários para abrir caminho para Colónia e levá-los para a batalha decisiva pelo controle da área industrial da cidade de Ruhr. Estava muita coisa em jogo.

Uma primeira tentativa em 16 de fevereiro de um comando de três voluntários que se aproximaram da ponte durante a noite num barco falhou e todos esses voluntários desapareceram para sempre ...

No dia seguinte, tentaram duas vezes repetir a operação que se revelava suicida. Mais uma vez todos foram mortos. Mas o tempo estava a esgotar-se e era preciso encontrar uma solução rapidamente. Então, Frankie ofereceu-se. Tendo visto seus companheiros morrerem um após outro, ele pensara muito sobre a solução do problema anteriormente insolúvel. Submeteu o seu plano ao comandante do quartel-general. O plano foi aceite. "Frankie, és louco", disseram-lhe os companheiros. Mas Frankie insiste em tentar realizar seu plano, que é abordar a ponte sozinho. Ele decide arriscar tudo por tudo. O próprio general Moore, comandante da 8ª Divisão, deseja-lhe "boa sorte" e o sucesso da operação.

Jornalistas de "Stars and Stripes" queriam entrevistá-lo, mas ele estava a pensar noutra coisa, e recusa. Na noite de 18 de fevereiro ele sentiu-se preparado para a missão. O seu corpo foi revestido com uma espessa camada de gordura. O seu equipamento consiste apenas num punhal e em cortadores de cabo para cortar os fios e desarmar os explosivos pendurados na ponte. Depois da meia-noite, doze dos melhores homens de sua companhia que o acompanharam aproximaram-se de um caminho livre de minas sob fogo de metralhadoras pesadas. Sete desses homens perderiam a vida nos dias seguintes ...

Frankie achou melhor entrar nas ondas uns bons cem metros a montante da ponte e deixar-se levar sem fazer barulho pela poderosa corrente até o primeiro pilar da ponte.

Os seus amigos desejaram-lhe "boa sorte" e deitaram ramos para o rio para o cobrirem. Sem fazer barulho, ele deixou-se chegar ao campo do inimigo pela força das ondas geladas, a coberto da escuridão da noite.

Chegado ao quarto pilar da ponte, ele subiu e cortou os cabos. Fez o mesmo no terceiro, no segundo e no primeiro pilares. Quando terminou, percebeu que havia agitação no lado alemão. Depois de um tiroteio, mergulhou várias vezes até o campo das tropas americanas.

#26 (182k)
Frankie Hansen condecorado com a Siver Star pelo General Armstrong na Embaixada dos EUA no Luxemburgo
#27 (219k)
Resumo das citações e distinções de Frankie Hansen
#28 (74k)
#29 (229k)
Frankie Hansen entre a esposa Betty e a mãe Catherine, logo após a condecoração com a Silver Star
#x1 (592k)
Diploma of the Silverstar
#x2 (544k)
Condecorações americanas de Frankie Hansen (da esquerda para a direita) Medalha Silver Star – Purple Heart - Medalha de Conduta - Europeu - Africana - Médio - Oriental - Campanha de Medalha - World War 2 Victory - Army of Occupation Medal
#x3 (331k)
1947, Frankie, depois de ser condecorado com a Silver Star, em frente à embaixada americana

Porque se esquecera outra vez da senha, um soldado americano atirou sobre ele, mas felizmente falhou os tiros.

Entrou no campo onde foi recebido triunfantemente. Os soldados americanos não acreditavam no que estavam a ver, pareceu-lhes um fantasma. Ele tinha sido dado como morto.

O sucesso inesperado da operação é anunciado no Q.G. pelo lançamento de foguetes. Imediatamente, uma violenta barragem de fogo de artilharia foi disparada contra as posições inimigas. A ofensiva em direção ao Reno estava a começar ...

Por este feito heróico de grande importância estratégica, Frankie Hansen, embora fosse um civil estrangeiro, foi condecorado em 1947 com a "Silver Star" sob a seguinte resolução do Senado dos EUA de 1947:

Desde a travessia do Roer até a luta do Ruhr até o final da guerra.

Em Lendersdorf, a travessia do Roer em botes de borracha acabou em desastre. Por causa da corrente poderosa, quase todos os barcos viraram e apenas alguns conseguiram chegar à outra margem com os soldados e as armas. Uma frente foi estabelecida e ampliada nos dias seguintes.

Só a 23 de fevereiro o batalhão começou a atacar a cidade de Düren, apoiado por fogo de artilharia muito intenso. Mas a invasão do Ruhr pelo exército americano revelou-se uma verdadeira tortura.

Em Düren e nas aldeias vizinhas, tudo era ruínas, mas a resistência alemã foi feroz. Um morteiro fez 30 vítimas, entre as quais Frankie contava muitos amigos.

Em Hürtgen, dadas as enormes perdas diárias, a ordem para os soldados americanos não era para serem muito amistosos entre si, porque provavelmente perderiam amigos nos dias seguintes. Mas Frankie, que acreditava muito na amizade, pensava de modo diferente ...

#30 (492k)
IG's em Krauthausen
#31 (53k)
Alemães passam às centenas

Em Steinroth e Krauthausen, as fábricas e casas foram conquistadas pelo exército americano metro a metro. Este cenário de pesadelo repetiu-se cidade após cidade, aldeia após aldeia. Embora a derrota da Wehrmacht não estivesse em dúvida, adolescentes fanáticos do Wermacht resistiram até o último suspiro e fizeram mortos de ambos os lados.

Soldados alemães em processo de rendição fizeram-se explodir com soldados americanos, crianças soldados organizaram emboscadas às tropas dos EUA.

Dezenas de milhares de soldados alemães renderam-se à 8ª Divisão, um sinal de que o Terceiro Reich estava a chegar ao fim.

#32 (209k)
... e às centenas de milhares

Frankie tornou-se então ainda mais útil para o Exército dos EUA porque ele podia interrogar prisioneiros e habitantes alemães falando o seu idioma.

#33 (209k)
Em Widdig com Engen e dois outros camaradas
#34 (122k)
Frankie em Widdig
#35 (426k)
Em Widdig depois do combate
#36 (61k)
Frankie no jipe

Em 23 de março, em Widdig, cidade entre Colónia e Bonn, ele interrogou civis e descobriu que dois soldados alemães enviavam sinais de rádio pelo rio. Armado com uma bazuca, invadiu a casa, disparou dois foguetes no último andar e neutralizou os inimigos.

Em 29 de março, em Steineroth, Frankie e dois soldados do seu batalhão rastejaram por um campo e, sem qualquer proteção, avançaram em direção a um ninho de metralhadoras. Mas foram vistos e baleados. Os dois companheiros de Frankie ficaram feridos, incluindo o seu amigo Merle F. Butler, duas vezes condecorado com a Silver Star. Frankie, em seguida, atacou o ninho do inimigo, sozinho, atirando com o seu Thompson. Matou os dois guardas e capturou o artilheiro.

Frankie ficou a dever sua vida a Merle Butler. Ferido durante uma patrulha durante os combates no Hürtgenwald, o seu amigo carregou-o em segurança sob fogo de artilharia inimiga. O filho de Merle Butler viria morrer durante a guerra no Vietnã, cerca de 25 anos depois.

Quando o seu batalhão chegou a Essen, uma cidade no coração da região industrial dominada pelo império Krupp, os soldados estabeleceram-se por algum tempo na famosa villa Hügel da família Krupp, localizada em Bredeney (hoje parte de Essen). Alfried Krupp, um criminoso nazi, membro da SS desde 1931, e CEO do império Krupp desde 1943, foi preso e levado para a prisão pelos militares dos EUA em 1945. Foi o último Krupp à frente do império industrial. fundada por seu bisavô.

Frankie ficou na villa Huegel e descobriu o luxo do castelo.

Depois de um banho requintado na banheira, Krupp, diz ele, queimou a pele, expondo-se à radiação de uma lâmpada ultravioleta, o mais recente bronzeamento chic artificial desses senhores capitalistas ...

A disciplina militar rigorosa não era realmente o forte de Frankie. Ao questionar os habitantes locais, percebeu que havia uma cervejaria nas proximidades. Isso deu-lhe uma ideia. Requisitou vários caminhões para uma "missão especial" e a cervejaria só pode concordar ...!

E naquela noite, o Primeiro Batalhão aproveitou essa cerveja grátis e sagrada. Uma sensação de bem-estar invadiu os soldados estressados e cansados, a sensação de que a paz estava próxima ...

Frankie Hansen continuou a sua progressão na Alemanha com a famosa 8ª divisão. Depois de participar nos duros combates do Ruhr, chegou e finalmente cruzou o Elba a 1 de maio de 1945, 10 dias antes do fim da guerra.

A sua incrível odisseia antifascista de resistência, deportação, apoio e incorporação como soldado do Exército dos EUA a invadir a Alemanha nazi terminou. Uma nova vida ia começar ...